Dezembro 2017
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb
1
2
3
Data : 03/12/2017
4
5
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
21
22
23
24
25
26
27
Data : 27/12/2017
28
29
30
31
 

 

Quando Gabriela Vessani tinha 12 anos, ela e sua mãe passaram um tempo na casa de amigos em Pittsburgh, nos EUA.

“Eu adorei aquelas férias. Quando soube do programa de intercâmbio do Rotary eu decidi que queria participar”, disse Gabriela, uma interactiana de São Paulo.

O desejo da garota se realizou este ano. Ela foi hospedada por quatro famílias diferentes no Canadá, com a assistência do Rotary Club de Waterdown, em Ontário. Uma família em especial lhe chamou atenção.

“O casal tinha sete filhos adotados de diferentes partes do mundo. Achei o máximo ganhar sete irmãos e irmãs de culturas tão diferentes.”

MUDANDO VIDAS
Em julho, Gabriela e outros 104 participantes do Intercâmbio de Jovens foram à Sede Mundial do Rotary, em Evanston, como parte de uma excursão de ônibus de 31 dias para conhecer o país e fechar seus intercâmbios com chave de ouro.

“Este é o melhor programa do Rotary, uma organização que tem tudo a ver com mudar vidas para melhor”, afirma Gabriela.

Desde os anos 1920, o Intercâmbio de Jovens do Rotary tem propiciado vivências interculturais para pessoas entre 15 e 19 anos de idade. Elas passam até um ano letivo no exterior promovendo a compreensão internacional, algo que está no cerne de uma das áreas de enfoque do Rotary.

BENEFÍCIOS PARA O CLUBE
O superintendente do ensino fundamental e associado do Rotary Club de Deerfield, Mike Lubelfeld, dedicou várias semanas aos preparativos para que seu clube voltasse a hospedar intercambistas após um hiato de mais de 20 anos. Em agosto o indonésio Leo, de 17 anos, foi recepcionado pelos americanos.

“Iniciamos o processo faz pouco tempo e o interesse já é enorme”, comemora Mike. “Receber o Leo fez bem a todos nós. O trabalho com os jovens é altamente gratificante, pois através deles moldamos o futuro.”

AUTOCONFIANÇA
Dois anos atrás, quando solicitada a hospedar um estudante em Mumbai, a família de Varda Shah ficou com um pé atrás.

“Relutamos a princípio por ele ser menino e da Alemanha, um país tão diferente do nosso. Mas acabamos aceitando e eu nunca pensei que uma amizade se solidificasse tanto em somente três meses. Ainda falamos por Skype e sabemos o que está acontecendo na vida um do outro pelas mídias sociais.”

Varda também veio a participar do programa, ficando com três famílias em Nova York. Ela aprendeu muitas coisas, mas o principal foi ganhar autoconfiança.

“Antigamente eu era incapaz de conversar com estranhos. Agora, estou mais madura e não tenho receio de puxar conversa.”

ACEITAÇÃO
Juliana Kinnlof Vienna seguiu o exemplo da irmã mais velha. Embarcando no Intercâmbio de Jovens, ela ficou com duas famílias selecionadas pelo Rotary Club de Newtown, nos EUA, e aprendeu a aceitar as diferenças.

“Ao interagir com jovens de outras partes do mundo, acabei aceitando-os com todas as suas qualidades e defeitos, sem julgá-los por serem diferentes de mim. Neste processo, passei a me aceitar mais também.”

MAIS CORAGEM
Minerva Lopez Martinez, da Espanha, foi hospedada pelo Rotary Club de Simcoe, no Canadá. Ela contou que alguns dos seus amigos não quiseram aproveitar a oportunidade por medo de perder um ano de estudos. Mas Miverva pensa de outra forma.

“Temos a vida inteira para ir à escola, mas só uma chance de fazer o Intercâmbio de Jovens. “Uma das razões que me motivaram a fazer o intercâmbio foi vencer minha timidez. Sou uma nova pessoa agora.”

Aprenda a iniciar um intercâmbio
Conheça as experiências dos participantes